Artigo

Carreira de Sucesso X Boa Qualidade de Vida: É Possivel Conciliar?

Vivemos em uma era de muita competição no mundo corporativo, fazendo com que as pessoas abdiquem de suas vidas pessoais para produzir mais, ganhar destaque em suas carreiras e garantir o conforto de suas famílias. Mas de que adianta tanto tempo de trabalho se a pessoa mal consegue usufruir da “boa vida” que oferece à família?

Este dilema carrega um conceito que desafia a todas as pessoas que trabalham – estejam elas conscientes desse desafio ou não. Quando o tempo que precisamos dedicar à vida profissional “invade” o tempo da vida pessoal, surge a necessidade de conciliar esses dois aspectos, desenvolvendo estratégias que acomodem o equilíbrio entre ambas. É difícil, mas não impossível.

Não existe uma fórmula universal que funcione para todas as pessoas, afinal, cada indivíduo é único e tem recursos e situações particulares. A única coisa certa é que um dia tem apenas 24 horas. Como e onde você dedica esse tempo é uma questão de prioridade e disciplina.

É preciso aceitar que essa situação existe e precisa de atenção, porque ela tem um impacto na sua vida pessoal e profissional (e nas vidas das pessoas que dividem esses espaços com você). O mais importante é conhecer a você mesmo em profundidade, para poder elencar suas prioridades e fazer escolhas certas, sem correr riscos mal calculados em nenhuma das esferas de sua vida.

Definição de prioridades

A primeira pergunta a ser respondida é: o que eu quero alcançar na minha vida profissional? E na minha vida pessoal?

A segunda é: quais são as atividades que eu desempenho diariamente na minha rotina profissional? E na minha vida pessoal?

Responder às questões propostas não é simples e nem mesmo rápido, e exige que o indivíduo esteja disposto a ir fundo nessa atividade. Liste as coisas que faz, os papéis que desempenha e analise sua agenda de compromissos para identificar onde seu tempo está, de fato, sendo empregado.

Sem essa base de informações precisas, fica muito difícil estabelecer as prioridades, porque, para isso, é preciso separar suas atividades em três grupos:

(1) Atividades que podem ser desempenhadas por outras pessoas e que devem ser atribuídas a outras pessoas;

(2) Atividades que sejam puros “ladrões de tempo” e que devem ser eliminadas;

(3) Atividades que só podem ser realizadas pelo próprio indivíduo.

A partir dessa seleção, basta organizar as atividades do grupo 3 em ordem de importância. Pode-se até atribuir uma nota de acordo com a importância da atividade, para ficar bem clara a ordem de prioridade. Por fim, é necessário confrontar os dois outros grupos, alinhando o que pode ser descartado da sua rotina, e o que pode ser delegado a outras pessoas.

É preciso reforçar que esse exercício exige coragem e disciplina, como qualquer processo de mudança que desejemos implementar em nossas vidas pessoais e profissionais.

Como evitar que a tecnologia nos isole do mundo real?

A dimensão que a tecnologia ocupa no mundo atual torna essa separação cada vez mais difícil. Os smartphones e os aplicativos facilitaram tarefas, encurtaram distâncias, mas, por outro lado, nos tornaram disponíveis o tempo todo, e em qualquer lugar. É necessário delimitar espaço e tempo em que estejamos off-line, para que possamos nos dedicar à presença e atenção requeridas, seja da família ou de amigos.

Qual é a importância de saber relaxar e descansar?

Voltando ao fato inquestionável de que o dia só tem 24 horas, é preciso lembrar que esse é o tempo bruto de que dispomos. O tempo líquido deve ser o que sobra ao descontarmos dessas 24 horas o tempo que deve ser dedicado à atenção de nossas necessidades fisiológicas e de saúde e bem-estar. E o conceito de bem-estar integra as dimensões física, mental, social e intelectual, bem como o propósito de vida de um indivíduo. Por isso, é imprescindível incluir, na lista de prioridades, atividades que atendam a essas dimensões da saúde, tais como sono, alimentação, exercícios físicos, encontros com amigos e pessoas queridas, boas leituras, música, cinema, lazer. A meditação desempenha um papel importante no equilíbrio pessoal e contribui para o relaxamento e o descanso em um nível mais profundo. Algumas modalidades de meditação difundidas mais recentemente – como a atenção plena ou mindfulness – podem ser aprendidas e praticadas pelo indivíduo em sua casa, até mesmo numa pausa do trabalho, e vêm apresentando resultados comprovados cientificamente.

A importância de definir metas

Mais importante do que definir as metas, é estabelecer objetivos e selecionar atividades que conduzam a eles e que possam ser implementadas de forma realista na agenda do profissional. Quando falamos de equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, é comum o indivíduo, ao perceber que precisa fazer mudanças nesse sentido, fazer planos como acordar mais cedo, fazer ginástica, cozinhar alimentos saudáveis em casa, sair do trabalho mais cedo, ficar com a família, ler um bom livro e estar na cama a tempo de dormir, pelo menos, 8 horas por noite. Tudo isso pode parecer perfeito.

Mas dificilmente é possível implementar um plano tão perfeito de uma vez e fazê-lo funcionar. Sempre há imprevistos, como uma viagem a trabalho, um atraso motivado pelo trânsito, ou algo que desmorona a estrutura toda. Daí vem a desmotivação, e a mudança não acontece. Num processo de mudança sustentável, a análise cuidadosa das alternativas de ações acaba por constituir um Plano de Ação que vai ser implementado aos poucos, através da experiência e da reflexão sobre os resultados da experiência realizada. As experiências bem-sucedidas vão sendo inseridas pouco a pouco na rotina, e tendem a ser implementadas definitivamente aquelas que melhor se adequam à vida real e aos recursos disponíveis que o indivíduo possui.

Definir um número semanal de horas de exercícios físicos permite uma distribuição flexível e mais realista do que matricular-se na aula de spinning das 19h30 todos os dias, por exemplo. O importante é avaliar constantemente o que está sendo feito versus objetivos e prioridades estabelecidos.

Sobre a ABRACEM

A Associação Brasileira de Coaching Executivo e Empresarial (ABRACEM) é uma entidade jurídica, sem fins lucrativos, formada por um grupo de profissionais experientes da área de recursos humanos, que promove, divulga e exerce esta atividade em um elevado nível de excelência técnica, relacional e ética. A ABRACEM tem como foco incentivar o estudo, a pesquisa e o desenvolvimento do Coaching Executivo e Empresarial em todos os seus aspectos.

Por Ana Cristina Lessa Simões, Coach Executivo e Empresarial eVice-Presidente da ABRACEM (Associação Brasileira de Coaching Executivo eEmpresarial)