Variedades

Vereadores questionam gastos de R$ 10 milhões com publicidade feita pelo Paço

A prestação de contas do secretário de Comunicação da Prefeitura, Luiz Felipe Gabriel, na sessão de hoje da Câmara, foi considerada por diversos vereadores como falha, vazia, sofrível e sem conteúdo,. "Ele veio e não falou nada.Por exemplo, não explicou os gastos de cerca de R$ 10 milhões com publicidade feita pelo Paço. Não justificou esses gastos de forma convincente. Foi ridículo", afirmou o vereador Jorge Kajuru, PRP, autor do requerimento que convocou o secretário Luiz Felipe.

Os vereadores que mais criticaram a política de comunicação da Prefeitura foram Elias Vaz, PSB, Sabrina Garcêz, PMB, Priscilla Tejota, PSD, e Cristina Lopes, PSDB, além de Jorge Kajuru. Segundo eles, a publicidade do Paço, na verdade, visaria essencialmente promover a primeira dama, Dona Iris, que seria candidata nas próximas eleições.

Porém, o secretário negou essa situação: "Não existe essa promoção política da primeira dama. A prefeitura recebeu um comunicado do Ministério Público alertando sobre isso. Portanto, essa crítica é insustentável".

Vereadores da base do Prefeito, como Vinicius Cirqueira, Pros, fez coro às reclamações de alguns colegas sobre um funcionário da Secom, Rodrigo Prado, que estaria utilizando de um site para fazer críticas aos vereadores. Eles pediram inclusive a demissão do servidor. Kajuru afirmou que Prado ganha mais de R$ 3 mil na Prefeitura "apenas para criticar a oposição ao prefeito nesta Casa".Mas Luiz Felipe alegou que "se trata de um excelente profissional, que cumpre com suas tarefas e que nome, endereço e CPF para ser questionado. Ademais ele todo o direito de se manifestar".

PROMOÇÃO

Priscilla Tejota insistiu na opinião de que "grande parte da publicidade da Prefeitura é usada para promover a primeira-dama. Isso é real. Não como negar". Cristina Lopes completou: "O uso da máquina pública para campanha política antecipada está claro". 

Jorge Kajuru criticou a Prefeitura por utilizar R$ 10 milhões com publicidade "enquanto não paga a data-base do servidor". Mas o secretário ponderou que o Paço reduziu os gastos com publicidade (mídia impressa, Tv, rádio, outdoor) de 0,5% para 0,3% das despesas gerais. "Há mais de 10 anos esse gasto chegou a 0,6%. Mas o Prefeito preferiu cortar na carne para se adequar ao quadro de dificuldades financeiras. Hoje, temos 4 agências para atender essa demanda publicitária. Mas, no próximo ano, devemos fazer uma nova licitação".

Sobre a colocação da vereadora Sabrina Garcêz, de que a Prefeitura estaria colocando publicidade da administração nos sacos de lixo, Luiz Felipe respondeu que não tinha conhecimento dessa despesa. 

Ao final, o vereador Elias Vaz criticou o prefeito Iris Rezende por investir pesada em publicidade "numa época de crise. Gasta-se para dizer que o governo é bom, enquanto a saúde, educação, segurança, transporte, coleta de lixo vive um caos completo".

por Antonio Ribeiro dos Santos Site da Câmara Municipal de Goiânia